Quero ser sueca | I want to be swedish PART 1


Quem me conhece pode pensar que este meu desejo está directamente relacionado com o facto do A. ser meio-sueco (mãe sueca), mas não, nem tem que ver com a comida e muito menos com a língua (em 7 anos e meio só consegui aprender a contar até 10). Quero ser sueca pelo civismo do povo, pela atitude em relação ao ambiente.
Em 2006, quando visitei Estocolmo, deparei-me com uma cidade bonita e arranjada (não há prédios a ruir) onde não há trânsito, as pessoas utilizam os transportes públicos e andam a pé ou de bicicleta, quase todas as ruas têm uma ciclovia. A M. (prima do A. que vive no centro de Estocolmo) mostrou-me o percurso que faz a pé todos os dias para o trabalho (cerca de 1 Km), convém não esquecer que a Suécia tem 6 meses de Sol por ano, os outros 6 são "noite" com frio, chuva e neve. A localidade onde o A. viveu até aos 8 anos (que dista de Estocolmo uns 15 minutos de carro) continua intacta, com o mesmo tipo de casas, uma imensidão de espaço verde para as crianças brincarem e um bosque, a localidade onde vivi até aos meus 12 anos que na altura tinha meia-dúzia de casas e de resto eram campos de milho é hoje um jardim de cimento sem uma única zona verde, sem um parque... continua
-----
For those who know me you may think that my desire is directly related to A. being half-Swedish (Swedish mother), but not, and it's not also for the food and even less for the language (in 7 and a half years I was able to learn to count to 10). I want to be Swedish by the people's citizenship, the attitude towards the environment.
In 2006, when I visited Stockholm, I found myself in a beautiful and arranged city (no buildings to collapse) where there is no traffic, people use public transport and go on foot or by bicycle, almost every street has a cycleway. M. (A.'s cousin who lives in central Stockholm) showed me the route that makes by walk everyday to work (about 1 Km), please do not forget that Sweden has 6 months of sun, the other 6 are "night" with cold, rain and snow. The place where A. lived until he was 8 (that's about 15 minutes drive from Stockholm ) remains intact, with the same type of houses, a multitude of green space for children to play and a forest, the town where I lived up until my 12 years old, that had a half-dozen houses and the rest were fields of corn is now a cement garden without a single green area or a park... it continues

2 comentários:

ηatalie αfonseca disse...

É! COmpreendo-te. Quando tive lá achei o mesmo. MAs para além de ter nascido na Suécia, não é meu desejo viver lá. Não sei porquê. Mas é um bom lugar. A comida é muito boa ;), a cidade é limpa, as pessoas são simpáticas, etc.

É um país a visitar sem dúvida! :)
Depois ensino-te mais umas palavrinhas. ;)

Margarida Bruno disse...

Mana: eu senti-me assim já em alguns países. A primeira vez foi quando fuí a Londres sózinha: quando vi aquilo pensei em que país atrasado vivia: lixo, palavrões, cimento, buzinadelas, mau cheiro, poluição, etc, etc. O meu maior choque foi no regresso, logo no aeroporto: andava perdida por Heathrow à procura da porta de embarque e, após alguns minutos, percebi onde era o embarque dos portugas: pessoal a falar aos berros, palavrões por todo o lado e quando os vi, apercebi-me do quão feio somos à beira dos nórdicos.
Na Suécia só estive em Malmo, quando passei férias na Dinamarca. Mas é um local que gostaria de visitar.

Enviar um comentário